Quarta, 17 de Julho de 2024
14°

Tempo limpo

Ponta Porã, MS

Dólar
R$ 5,46
Euro
R$ 5,98
Peso Arg.
R$ 0,01
Política CAMPO GRANDE

Bolsonaro veta apoio a Puccinelli e assume aliança com Tereza

Durante reunião em Brasília, o ex-presidente desautorizou o PL de MS a lançar candidato a prefeito no município

12/06/2024 às 11h03
Por: Jornalista Adilson Oliveira Fonte: Correio do Estado
Compartilhe:
O ex-presidente Jair Bolsonaro e o deputado Marcos Pollon - Foto: Arquivo
O ex-presidente Jair Bolsonaro e o deputado Marcos Pollon - Foto: Arquivo

Na última semana, o ex-presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL), teria provocado uma verdadeira reviravolta na disputa pela prefeitura de Campo Grande nas eleições municipais do próximo dia 6 de outubro.

De acordo com fontes ouvidas pelo Correio do Estado, durante reunião realizada em Brasília (DF), no dia 7 de junho, com o presidente do PL em Mato Grosso do Sul, deputado federal Marcos Pollon, a principal liderança nacional do partido teria vetado o apoio que estaria sendo costurado para a sigla apoiar a pré-candidatura a prefeito da Capital pelo ex-governador André Puccinelli (MDB).

Além disso, Bolsonaro ainda teria comunicado ao deputado federal sul-mato-grossense que em Campo Grande o PL não disputará a eleição majoritária, apoiando a indicação da senadora Tereza Cristina (PP-MS), sua amiga e ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no seu governo.

Na prática, o ex-presidente sepultou o sonho do deputado estadual João Henrique Catan (PL) de ser o pré-candidato do partido a prefeito da Capital e confirmou a informação já divulgada pelo Correio do Estado de que o partido fará aliança com o PP para a reeleição da atual prefeita Adriane Lopes.

A decisão de Bolsonaro põe fim ao imbróglio que se tornou a escolha do pré-candidato do PL a prefeito de Campo Grande, que já teve o próprio Marcos Pollon, o deputado estadual Coronel David, o ex-deputado estadual Rafael Tavares, o suplente de senador Tenente Portela e, agora, João Henrique Catan. 

ENTENDA

O Correio do Estado apurou que a possibilidade de o PL apoiar a pré-candidatura de André Puccinelli teria sido acertada durante reunião em uma empresa de comunicação da Capital com a presença do ex-governador, de Marcos Pollon e do dono da empresa.

Pelo acordo construído a seis mãos, o PL ficaria com a vaga de vice na chapa encabeçada por Puccinelli, sendo que esse cargo seria destinado à esposa do deputado federal, a presidente do PL Mulher em Mato Grosso do Sul, Naiane Bittencourt.

Puccinelli teria aceitado a indicação de Marcos Pollon e, para bater o martelo, solicitou que o parlamentar marcasse uma reunião, em Brasília, com o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, e depois com o ex-presidente Jair Bolsonaro para receber as bênçãos de ambos para o projeto de aliança do partido com o MDB em Campo Grande.

No entanto, conforme informações obtidas pelo Correio do Estado, a divulgação da dobradinha MDB-PL na Capital chegou a Bolsonaro antes que Pollon marcasse a reunião.

Diante disso, quando o presidente estadual do PL chegou para comunicar Bolsonaro sobre a aliança, foi desautorizado pelo ex-presidente, que não teria gostado da alternativa em decorrência de o ex-governador enfrentar problemas na Justiça e, inclusive, já ter sido preso.

 Uma das bandeiras dos bolsonaristas é não apoiar políticos com qualquer tipo participação ou investigado em esquema de corrupção, portanto, na lógica da extrema direita, André Puccinelli jamais poderia ter o apoio deles para nenhum cargo público.

 A reportagem procurou o presidente do PL em Mato Grosso do Sul, mas, até o fechamento desta matéria não obteve sucesso. O espaço continua aberto para que o deputado federal Marcos Pollon possa se manifestar em outra oportunidade.

ADIAMENTO

Em entrevista concedida nesta semana, André Puccinelli voltou a adiar a data para a definição sobre a possibilidade de encarar ou não a disputa pela cadeira de chefe do Executivo municipal da Capital pela terceira vez, já que administrou a cidade de 1º de janeiro de 2007 a 1º de janeiro de 2011 e depois de 1º de janeiro de 2011 a 1º de janeiro de 2015.

Há duas semanas ele disse ao Correio do Estado que “até o dia 15 de junho vou tomar uma decisão definitiva sobre essa questão”.

Agora, nesta semana, o ex-governador revelou que deixou como data final o 20 deste mês, sendo que até lá vai  falar com o presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, com o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, e com o vice-presidente nacionl do Solidariedade, Paulinho da Força, para formar uma ampla aliança, visando a disputa pela prefeitura da Capital.

Essa é a terceira vez que ele adia uma definição sobre a disputar ou não o cargo de prefeito. No dia 15 de abril, durante a primeira de uma série de entrevistas que a Rádio CBN Campo Grande e o Jornal Correio do Estado realizaram com seis pré-candidatos à prefeitura da Capital, o ex-governador disse que iria aguardar até o fim do mês de maio.

Ele1 - Criar site de notícias